AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM ATLETAS TETRAPLÉGICOS

  • L.F Correia de Campos-Castelli Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Brasil
  • C Luarte-Rocha Facultad de Ciencias de la Actividad Física, Universidad San Sebastián, Concepción, Chile.
  • L. G. 1Fabricio Dos Santos–Texeira Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Brasil
  • J Gorla- Irineu Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Brasil
Palabras clave: composição corporal, esporte adaptado, tetraplegia, lesão medular

Resumen

O objetivo deste estudo foi avaliar a composição corporal em atletas com lesão medular. Medidas antropométricas duplamente indiretas foram utilizadas. A amostra foi composta por 08 atletas com lesão medular, do sexo masculino e com idades entre 21 a 35 anos. Foi calculado o índice de massa corporal (IMC), tamanho do arcabouço corporal (TAC) e somatória das dobras cutâneas (Σ9DC). Foi utilizada a estatística descritiva para apresentação dos resultados e para análise o programa software® SPSS 11.0. O valor médio do grupo referente à Σ9DC foi de 144,9±55,42. Com relação ao IMC, a média foi de 20,02±3,07 sendo que, 65,5% dos avaliados estão dentro dos padrões ideais enquanto que 37,5% estão abaixo do padrão ideal e por fim, o TAC, com média de 1510,05±101,05. Observou-se que as avaliações antropométricas, demonstraram-se eficazes para análise dos aspectos de qualidade de vida, porém ao treinamento esportivo, existem limitações.

Citas

1. Brito, C. M. M., Battistella, L. R., Sakamoto, H. & Saito, E. T. (2002). Densidade mineral óssea após lesão medular. Acta fisiátrica. 3 (9), p.127-133.

2. Costa, R. F. (2001). Composição corporal: teoria e pratica da avaliação. 1ed. Barueri-SP: Manole.

3. Frankenfield, D. C., Rowe, W. A., Cooney, R. N., Smith, S. (2001). Limits of body mass index to detect obesity and predict body composition. Nutrition. 1 (3), p. 26-30.

4. Frisancho, A. R., Flegel, P. N. (1983). Elbow breadth as a measure of frame size for us males and females. The American Journal of Clinical Nutrition. 2 (37), p. 311-314.

5. Glaner, M. F. (2005). Índice de massa corporal como indicativo da gordura corporal comparado às dobras cutâneas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 4 (11), p. 243-246.

6. Guedes, D. P., Guesdes, J. E. R. P. (2006). Manual Prático para Avaliação em Educação Física. ed.1, Barueri: Manole.

7. Katch, V. L., Freedson, P. S. (1982). Body size and shape: Derivation of the “HAT” frame size model. The American Journal of Clinical Nutrition. 4 (36), p.669-675.

8. Mcardle, W. D., Katch, F. I., Katch, V. L. (2008). Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 6° ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

9. Mcardle, W. D., Katch, F. I., Katch, V. L. (2003). Nutrição: para o desporto e o exercício. 1° ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

10. Ricardo, D. R., Araújo C. G. S. (2002). Índice de massa corporal: um questionamento baseado em evidências. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 1 (79), p. 61-69.

11. Rodrigues, D.; Herrera, G. (2004). Recursos fisioterapêuticos na prevenção da perda da densidade mineral óssea com lesão medular. Acta Ortopédica Brasileira. 3 (12), p.183-188.

12. Santos, S. S., Guimarães, F. J. S. P. (2002). Avaliação antropométrica e de composição corporal de atletas paraolímpicos brasileiros. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 3 (8), p. 84-91.

13. Taylor, R. W., Falorni, A., Jones, I. E. & Goulding, A. (2003). Identifying adolescents with high percentage body fat: a comparison of BMI cutoffs using age and stage of pubertal development compared with BMI cutoffs using age alone. European Journal of Clinical Nutrition. 6 (57), p.764-769.

14. Tritschler, K. A. (2003). Medida e Avaliação em Educação Física e Esportes de Barrow & McGee. 5°ed. Barueri: Manole.
Publicado
2015-07-30
Cómo citar
Correia de Campos-Castelli, L., Luarte-Rocha, C., 1Fabricio Dos Santos–TexeiraL. G., & Gorla- Irineu, J. (2015, julio 30). AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM ATLETAS TETRAPLÉGICOS. Revista Horizonte Ciencias De La Actividad Física, 6(1), 14-22. Recuperado a partir de http://revistahorizonte.ulagos.cl/index.php/horizonte/article/view/151
Sección
CIENCIAS DEL DEPORTE Y EL ACONDICIONAMIENTO FÍSICO / SPORT SCIENCES AND PHYSICAL